domingo, 30 de julho de 2017

sexta-feira, 21 de julho de 2017

Ponto

| uma espécie de ponto final, parágrafo |

não vivas à espera do feliz-para-sempre, da pessoa perfeita, do dia D, de um sinal qualquer. seca as lágrimas, levanta a cabeça, arregaça as mangas e segue em frente!

troca o perfeito pelo verdadeiro e o feliz para sempre pelo feliz agora. sorri mais, tenta mais, erra mais, vive mais! pede desculpas quando achares que deves. perdoa mentalmente aqueles que nunca terão a coragem de te pedir perdão. vive com grandeza no coração e vive com a leveza de saber dizer não. 

deixa ir tudo aquilo que tu sabes que não podes mudar. e repete a ti mesma todos os dias: 
não importa se vou cair. importa como me me vou levantar.

http://www.asnovenomeublog.com/2017/07/uma-especie-de-ponto-final-paragrafo.html

terça-feira, 20 de junho de 2017

Fénix

A fénix é um pássaro da mitologia grega que, quando morria, entrava em auto-combustão e, passado algum tempo, renascia das próprias cinzas. Outra característica da fênix é sua força que a faz transportar em voo cargas muito pesadas, havendo lendas nas quais chega a carregar elefantes. Podendo se transformar em uma ave de fogo.

Não é Fácil

Não sei se é pela nossa sociedade, se é pelo ser humano em si, mas muito poucos acreditam no bem, pelo bem. Desinteressado. Que podemos fazer, dedicar e trabalhar em algo não por nós, não por proveito próprio, mas tão e simplesmente pelo gosto daquilo que fazemos (a maior parte das vezes, para os outros). Enfim... fazemo-lo por algo bem maior do que o nosso próprio umbigo.

Dizem que há medida que crescemos vamos perdendo a inocência de criança. Criança que pensa tão simples, que vê tão simples e que se apercebe de tudo tão simples. Crescemos e complicados e duvidamos e... destruímos tudo o que se mete no nosso caminho. Talvez seja por isto que há "pessoas más", esqueceram-se da simplicidade da criança que nunca devia deixar de existir em nós. Por isso, as "pessoas más" multiplicam-se, afinal vão destruindo, uma a uma, a criança em nós, a inocência em nós... o acreditar dentro de nós.

Somos cada vez menos criança(s). 

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Era só isto

"(...)
sei que neste exacto momento há muitas miúdas [somos miúdas para sempre, tenhamos 20, 40 ou 70
anos] que deixaram de acreditar na sua história de amor. algumas acham que deixaram de acreditar no amor romântico assim mesmo, na sua plenitude e totalidade, outras deixaram de acreditar que sejam merecedoras da sua história. eu sei que neste exacto momento há muitas miúdas que desistiram, que aceitaram uma situação em que sentem mais ou menos em jeito de protecção, de medo. eu sei que neste momento há muitas miúdas cansadas. porque isto do amor que magoa cansa muito. porque isto do amor romântico no geral cansa porque dá trabalho.

há dois anos eu estava terrivelmente cansada. tinha deixado de acreditar na minha história, tentando não achar que a culpa das coisas não resultarem era minha e deste jeito meio mandão, meio bruto, meio controlador. estar sozinha é uma forma feliz de existir. pode aliás ser a forma mais feliz de existir. mas sem culpa, sem remorsos, sem vazio. há dois anos, depois de muitas raivas, muitas lágrimas, muitas angústias, estava sozinha e serena. e eu acho que estar serena é a base para ser feliz.

e também acredito que foi essa serenidade que me permitiu receber o Pedro.

eu sei – porque duvidei da minha história durante mais de 37 anos – que há momentos que deixamos de acreditar.

queria escrever para quem neste momento não acredita na sua história de amor, porque nunca a viveu, porque se desiludiu, porque a perdeu. a vida às vezes faz-nos surpresas. surpresa bem boas. e convém estarmos serenas para vermos.

era só isso. bom dia."

[in Dias de Uma Princesa]

A Força que Há em Nós

Temos fases. Todos temos. A pior delas, é quando nos vamos abaixo cá dentro. Temos que nos levantar todos os dias na mesma, temos que cumprir com as nossas obrigações, com os nossos compromissos, mas há sempre em nós um sentimento que vai muito mais além do "não quero mais". E é difícil para caramba.

No entanto, de repente, há um estalar de dedos, um acordar... e isto provocado por coisas tão simples, às vezes que parecem tão insignificantes mesmo, que nos dão aquela injecção de energia nova, que nos alimentam a esperança de que é possível continuar em frente. Enfim, que revelam que a nossa dedicação faz sentido.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Ainda sobre o Salvador

(ilustração: João Rodrigues)
" Eu ainda sou do tempo em que a família se reunia em frente à televisão todas as noites, religiosamente, a seguir ao jantar, para ver a novela. Do tempo em que se aguardava, quase a fazer
tracinhos na parede, pelos Jogos Sem Fronteiras, pela Miss Portugal, pelo Natal dos Hospitais. E, claro, pelo Festival da Canção. (...)

O Salvador fez-nos voltar à infância, em que ficávamos colados à televisão a acompanhar o festival, mesmo sem nunca termos ganho. Mas fez mais do que isso. Reforçou o orgulho na nossa música, na nossa língua, provou que é possível fazer boa figura com uma canção que é uma canção, sem "fogo-de-artifício", como ele diz."

[by A Pipoca Mais Doce]

O meu Filho OFC é mais ou menos isto

"Isto do amor a um clube é uma coisa lixada, porque é mais ou menos o mesmo amor que temos a um filho. Por muita merda que ele faça, não podemos virar-lhe as costas. Temos de estar lá, para os bons e para os maus momentos. E até podemos falar mal, perder a paciência, mas só nós. Ai de quem ouse dizer um "ai" sobre o nosso menino, que metemos logo as garrinhas de fora, recuperamos todo o histórico, relembramos toda a nossa glória para provar que, aconteça o que acontecer, seremos sempre os melhores do (nosso) mundo. E é por isso que estamos lá, porque o amor é assim mesmo. Mais complacente, mais irado, mais efusivo, mais contido, mais desesperado, mais explosivo, mais descrente, mas sempre presente. "

[by A Pipoca Mais Doce]

quarta-feira, 10 de maio de 2017

7 suicídios

Hoje pagaram 7 suicídios. Não cumpriram um objetivo, tiveram castigo.

Por segundos, passou-me pela cabeça negociar com elas os últimos 3 suicídios. Pensei que teriam "aprendido a lição" ao final dos 4. Mas, quando estava a avaliar essa hipótese reparei que sim, uma ou outra resmungava, uma ou outra tentava demover-me de lhes dar aquele castigo... no entanto, estavam ali 13 miúdas a correr linha a linha, comprometidas. Comprometidas em conjunto. "Já só faltam 3!"... e isso ecoava-lhes lá dentro. "Já só faltam 2!"... uma solidariedade contagiante. "Já só falta 1 !!"... uma missão a superar, mas estavam juntas... "(uma música qualquer pimbalhona para comemorar a prova superada)"... e riram-se, ofegantes, festejaram, bateram palmas.

7 suicídios. Não foi uma prenda. Nem pera doce. Mas foi uma conquista. E elas nem imaginam o quanto.

Até amanhã.


Coisas que nos tocam o coração

Salvador Sobral - Amar Pelos Dois (Duet by Glen Keane) from Creativehole on Vimeo.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Dear Basketball...

Sinto um pequeno vazio. É este o sentimento quando penso em ti. 

Sempre pensei que depois deste fim-de-semana fossemos para além de um filme tipo Coach Carter. Muita moral. Muito alento. Mas quando passa da tela para a realidade, sabe a muito pouco.

Julguei que iria ser possível dar uma boa lição a muitos. Dizer que quem anda nisto, quem é honesto nisto, não precisa de jogos de bastidores, nem de ser filho, enteado ou afilhado, para conseguir grandes feitos.

Mas antes disso tudo, para além disso tudo e em primeiro que isso tudo, desejei muito ver o esforço de uma Equipa recompensado. Desejei mais ainda, uma cereja no topo do bolo para quem lutou tanto para voltar à tona.

Sinto-me emocionadamente triste por quem acompanhei ao longo destes meses a lutar contra frustrações, injustiças e tantas e outras coisas, que no final... (à parte da cereja perdida) nem mérito foram capazes de admitir por... desrespeito a quem está a sério no seu trabalho, a quem se dedica realmente e a quem dá tudo o que tem e o que não tem.

Fico desoladamente consciente que vivemos rodeados de politiquices que brincam com as pessoas. Que não pensam no bem maior dos seus. Que não entendem o "big picture" de coisa nenhuma. Que não avaliam o impacto de luta alguma. Que não querem de todo um mundo melhor para os que o rodeia.
Fico desoladamente consciente que quem manda em qualquer coisa que seja, vai aproveitar-se de jogos de bastidores para influenciar naquilo que puder a favor do vento que assim determina.
Fico desoladamente consciente que vamos continuar todos na mãos destas gentes, para qualquer lado que nos viremos.
Fico desoladamente consciente que nunca respeitarão o trabalho e o suor de tantos.

Dear Basketbal... o problema não és tu. Acho eu. O problema é o mundo onde estás.




segunda-feira, 24 de abril de 2017

Hoje foi um dia... difícil. Era como aqueles minutos finais que nos consomem para lá de muito. Taco a taco. Os segundos esgotavam-se, o placar equilibrado não mexe. Uma última tentativa de passar para a frente, no último segundo, a última bola é lançada e... a bola roda... e roda... e deixa todo o público na expectativa... e sai. O tempo acaba. O jogo termina... É este o meu sentimento.

Foram muitas as pessoas que durante o dia de hoje se mobilizaram para trazer a Final 4 da Liga Feminina para a cidade de Coimbra, para a Zona Centro do País. Outros tantos embarcaram na causa, porque sentiram-se parte, afinal, não precisamos de ser do mesmo clube, basta sermos do (mesmo) desporto e de Coimbra. No entanto, o Buzzer Final não entrou.

Hoje sinto um descrédito em torno da modalidade e de que a lidera. Mas amanhã é um novo dia. Sei que há pessoas boas no Desporto, há pessoas boas no Basquetebol. Tenho-me cruzado com um par delas, felizmente. Admiro-as e guardo tudo o que posso delas. O que eu acho, é que precisam de se multiplicar mais, de se fazer ouvir mais... de se unir mais e lutar ainda mais. O basquetebol, como qualquer outro desporto, é por um bem maior e é para todos. Para os futuros cidadãos, os novos, os de agora e os de sempre. Então que o seja de uma forma honesta, positiva, formadora e justa.

Hoje saio triste deste dia. Mas amanhá é um novo dia. Amanhã lá estarei, mais uma vez, no pavilhão pelas minhas atletas, pelo meu desporto de eleição, pela minha cidade e por todos os que acreditam que podemos ajudar a fazer a diferença. 

E no fim-de-semana, lá estaremos, com tambores, tachos, panelas e testos, apoiar o nosso basquetebol de Coimbra.

Obrigada a todos pelas partilhas, pela sensibilização e pela solidariedade. O desporto também é isto.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Quando percebemos que temos valor, dizer que somos bons, passamos por convencidos, de peito feito.

Quando percebemos que temos valor, mas dizemos que não somos assim tão bons, estamos a ser modestos de mais ou provavelmente queremos é que apapariquem.

Tudo é, na verdade, mal visto.

Mas isso é para o lado que eu durmo melhor.

O que me custa é perceber o valor que temos, até o reconhecerem, mas mesmo assim, o que vai falar sempre mais altos são os "amigos" e os "de fora". Esse é serão os "certos", o resto não importa.

[e assim perdemos oportunidades de fazer coisas boas. porque até merecemos ter esse direito. mas na vida, pouco é por aquilo que merecemos.]

sexta-feira, 31 de março de 2017

Matematicamente Falando

"Green não é o melhor marcador, o melhor ressaltador ou o melhor passador do mundo. Longe disso. Mas é o primeiro a atirar-se para o chão quando a equipa precisa. Contesta todos os lançamentos. Mete-se à frente dos adversários, grandes ou pequenos, para sacar faltar atacantes. Faz os intangíveis. Que são cada vez mais tangíveis."

[tenho umas por lá, que não são valorizadas, porque aos olhos dos outros, são intangíveis]

In Sapo24


quinta-feira, 30 de março de 2017

“Make each day your masterpiece. Just do the best you can every day—nobody can do more.”
John Wooden

quinta-feira, 23 de março de 2017

Stop War

Eu gosto muito de ensinar. Gosto desse desafio. Gosto da adrenalina de ter que saber mais para ensinar melhor.

Mas no meu tempo, gasto tão pouco com isso.

Temos que passar constantemente o tempo todo a resolver guerras:

- são guerras entre treinadores
- são guerras entras as quintas
- são guerras dos diretores
- são guerras dos dirigentes
- são guerras dos pais
- são guerras dos clubes
- são guerras das atletas
- são guerras até do homem que vai a cruzar a esquina.

Isso desgasta. Retira-nos tempo para ensinar de cabeça limpa. Retira-nos tempo para aprender mais. Retira-nos o tempo que queríamos para fazermos o que realmente gostamos da melhor forma.

O ser humano é, sem duvida, um filho da mãe.

Solidariedade

Raro no Dia a Dia. Uns para com os outros. Um pouco menos para mim, para teres um pouco mais que menos para ti.

Solidariedade. É o que falta mais por aí. Em qualquer área, Em qualquer parte do nosso dia-a-dia.

"The world needs dreamers and the world needs doers. But above all, the world needs dreamers who do." — Sarah Ban Breathnach

terça-feira, 7 de março de 2017

Amar Pelos Dois

Se um dia alguém, perguntar por mim
Diz que vivi para te amar
Antes de ti, só existi
Cansado e sem nada para dar

Meu bem, ouve as minhas preces
Peço que regresses, que me voltes a querer
Eu sei, que não se ama sozinho
Talvez devagarinho, possas voltar a aprender

Meu bem, ouve as minhas preces
Peço que regresses, que me voltes a querer
Eu sei, que não se ama sozinho
Talvez devagarinho, possas voltar a aprender

Se o teu coração não quiser ceder
Não sentir paixão, não quiser sofrer
Sem fazer planos do que virá depois
O meu coração, pode amar pelos dois

[eu gosto. não sei como se pode não gostar desta música. é tão bonita. e se há quem diga que não é música de eurovisão, eu concordo. esta música vale bem mais do que um concurso televisivo.]


Fall Foward

"First, you will fail at some point in your life. Accept it. You will lose. You will embarrass yourself. You will suck at something. There is no doubt about it. 

But here’s the thing, I didn’t quit. I didn’t fall back.(...) but I continued to fail, and I failed, and failed but it didn’t matter because you know what? There’s an old saying, "you hang around a barbershop long enough, sooner or later you will get a haircut". So you will catch a break, and I did catch a break. 

Fall Foward.(...) sometimes it’s the best way to figure out where you’re going. (...) 

Never be discouraged. Never hold back. Give everything you’ve got. And when you fall throughout life and remember this, fall forward."



terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Manchester by The Sea

Fui ver o Melhor Ator em Manchester by the Sea. Depois do Óscar, busquei a crítica aqui e lá me prontifiquei a enfardar um pacote de pipocas para ver.

Gostei muito do filme. É forte. Bastante forte. Fiquei completamente agarrada. Chorei, puxei os cabelos, ri, chorei. E depois se há coisa que dá cabo de mim são os finais menos ou não felizes. [Por favor, precisamos de acreditar em finais completamente felizes.] 

Mas gostei muito. Recomendo. 


Está dito



[é este o meu nível de crença. E não, não é nos Oscares]

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Goodbye

Did I disappoint you or let you down?

Should I be feeling guilty or let the judges frown?
'Cause I saw the end before we'd begun,
Yes I saw you were blinded and I knew I had won

So I took what's mine by eternal right
Took your soul out into the night
It may be over but it won't stop there
I am here for you if you'd only care

You touched my heart you touched my soul
You changed my life and all my goals
And love is blind and that I knew when
My heart was blinded by you

I've kissed your lips and held your head
Shared your dreams and shared your bed
I know you well, I know your smell
I've been addicted to you

Goodbye my lover
Goodbye my friend
You have been the one
You have been the one for me

I am a dreamer but when I wake
You can't break my spirit - it's my dreams you take
And as you move on, remember me
Remember us and all we used to be

I've seen you cry, I've seen you smile
I've watched you sleeping for a while
I'd be the father of your child
I'd spend a lifetime with you

I know your fears and you know mine
We've had our doubts but now we're fine
And I love you, I swear that's true
I cannot live without you

Goodbye my lover
Goodbye my friend
You have been the one
You have been the one for me

And I still hold your hand in mine
In mine when I'm asleep
And I will bear my soul in time
When I'm kneeling at your feet

Goodbye my lover
Goodbye my friend
You have been the one
You have been the one for me

I'm so hollow, baby, I'm so hollow
I'm so, I'm so, I'm so hollow

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Muito para além da Táctica

Sermos Treinadores de jovens vai muito para além de ensinarmos a técnica e a táctica. Muito mais do que planear os treinos da semana e gerir o jogo ao fim-de-semana.

Vai muito para além disso.

Temos perante nós crianças, pré-adolescentes, adolescentes e futuro adultos, com quem devemos ter a missão de os influenciar da forma mais positiva possível. Só assim crescem como crianças felizes, adolescentes conscientes para um dia se tornarem os melhores adultos do futuro.

No entanto nada disto é tarefa fácil. Se ensinar o desporto se torna difícil pela falta de cultura desportiva do país, passar-lhe bons valores mais difícil é. As nossas crianças e adolescentes vivem no meio de uma sociedade que os pressiona para ser os melhores: o melhor da turma, o melhor do ano, o melhor da escola, o melhor da família, o melhor do país, o melhor do mundo... As nossas crianças e adolescentes vivem perseguidos pelo "eu tenho", "eu vou", "eu quero", "eu preciso".

Todos queremos que sejam os melhores. Eu quero que as minhas atletas sejam as melhores. E eu pressiono-as. Mas de forma completamente diferente do mundo que as rodeia: 

Que sejas o melhor que TU podes ser.

Que sonhes com o melhor e persegue-o, dedicando-te o melhor que conseguires.
Não queiras ser como ninguém, melhor que ninguém. Que queiras ser sempre o teu melhor EU.
Que te deixes influenciar por Ídolos, Ícons... mas nunca percas a TUA identidade. É isso que faz o mundo continuar a girar.

Mas nunca te esqueças: Sózinho nunca conseguirás ser o teu melhor EU. 

Rodeia-te das pessoas que gostas. Que festejam contigo as tuas conquistas na procura do teu melhor EU. 
E lembra-te de festejar as conquistas de quem te rodeia. Que da tua felicidade faça parte o facto de, quem te acompanha lutar por ser também o seu melhor EU.

O mundo gira muito melhor. 

A Equipa é mil vezes melhor se todos procurarmos ser o nosso melhor EU. E acima de tudo, a Equipa é o melhor que poderia ser, se todos festejarem genuinamente pelo esforço e pelas conquistas uns dos outros. 




sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

O que a mente nos faz esquecer

Por vezes acho que as minhas épocas desportivas se assemelham às temporadas dos Morangos com Açúcar: grande parte do elenco mudava, havia sempre o mau da fita, o palhaço, as conquistas, os dramas, as histórias cruzadas... Qualquer dia escrevo um best seller.

Verão 2006. 
Preparava-se a época seguinte no meu clube. Já iam na tentativa numero sei lá quantas de colocar lá um Coordenador Técnico (CT) para orientar o clube. [este acho que durou essa época]. Eu, na altura, ia para a minha quarta época como treinadora, com a feliz experiência de ter estado também nos anos anteriores a trabalhar junto das Seleções Distritais jovens [alguém pressentiu e previu a minha loucura pela coisa]. 
Pois bem.
O CT lá começou a (re)colocar os treinadores pelas equipas e eu não constava em lado algum. Eu que era uma mera adjunta-com-muita-sede-de-aprender tinha sido considerada insuficiente para o cargo de aprendiz/adjunta/ou o quer que fosse no clube onde tinha sido atleta e me tinha desafiado para treinadora. Não fazia sentido algum.
Lembro-me do drama. Lembro-me das pessoas que falei. Das conversas que tive com o tal CT. Eu apenas queria aprender. E simplesmente não me queriam deixar aprender. O grande CT, diziam (e dizem) que é um grande nome do basquete distrital. É? Impedir alguém de aprender faz de alguém "grande"?
Claro que não fiquei despedida da minha caminhada. 2017 e cá estou eu. Riu-me de tudo na altura. Puseram-me onde ninguém queria. Mas eu só queria continuar a minha loucura por aprender. Passei um verdadeiro ano digno de Morangos com Açúcar. Mas aprendei.

Inverno 2016.
O ex-CT-2006 escreve nas redes sociais, assim mesmo à cara podre, dizendo que a minha equipa tem gozo em ganhar por muitos e humilha o adversário. Arrrrrfffff...
Amor-ódio-recíproco-meu-senhor. Lembrei-me, por estes dias, porque tenho esse sentimento por si. Na verdade faz mais de 10 anos atrás, quis que eu deixasse de investir em algo que me dedico mais que muitos. Nunca andei de peito feito. Nem o vou fazer. Sei que melhorei. Sei o que o trabalho com os jovens melhorou. Sei que as equipas a que me dedico estão a melhorar. Sei que pude contribuir para o meu clube de sempre a ser um bocadinho melhor. E tudo, tudo, porque não desisti por causa de pessoas como você (e outras da "família"). Mas também sei que NUNCA irei perder a capacidade de aprender, de ter os pés no chão e de procurar sempre por mais e melhor. Jamais parar no tempo. Jamais ficar-me por feitos (ou não feitos, mas que dizem que se fez) do passado.
Agora o seu sentimento por mim? É porque o enfrentei, quando lutei pelo que acreditava, faz 10 anos atrás? Ou porque 10 anos depois cá estou eu, MUITO melhor?

Senhor ex-CT-2006 as equipas que lidero gostam de ganhar, por consequência do trabalho. E sabe qual o gozo delas? Superar as melhores do país. Esse é o gozo delas.